Deus é Capaz!


Carla Buge
 Creio que para cada um de nós Deus acontece de modo mais ou menos intenso, de acordo com o que ansiamos ou de acordo com o que necessitamos dele. Lendo o testemunho de vida da jovem Carla Buge, entendi que Ele tem seus modos e métodos, sua misteriosa pedagogia para trazer-nos ao Seu regaço. E justo por isso intitulei essa postagem com o sugestivo nome de "DEUS É CAPAZ!". Que Ele mesmo, digno de todo louvor, honra, glória e adoração faça frutificar em nós a força e mensagem contidas nas palavras desse testemunho.

Olá irmãos, estou aqui para contar um pouquinho da minha vida e do meu encontro com Deus!

Então minha vida começou de uma maneira meio revoltante, pois venho de uma gravidez indesejada pelo fato de que meu pai era usuário de drogas e bebia muito, acabava agredindo minha mãe, o que fez com que acabassem se separando. Como minha mãe não tinha condições de me criar e meu pai nem queria saber de mim, meus avós resolveram me criar. Soube de toda essa história por meio de familiares, e há pouco tempo achei uma carta da minha mãe que iria ser entregue a um padre para que ela conseguisse o seu divórcio. Essa carta dizia que minha mãe havia tentado vários abortos durante a gravidez, e nada adiantou pois o nosso Senhor não deixou que nada me acontecesse. Minha mãe não sabe até hoje que eu li essa carta.

Seguindo a história, fui criada por duas pessoas q me deram muito carinho, amor, educação e sempre me levavam à casa de Cristo: meus avós. Minha avó sempre foi uma pessoa muito doente, sofreu muito. Ficava dois dias em casa e um mês no hospital. Certo dia, quando eu tinha 12 anos, meu padrasto chegou e me disse: "- Sua avó faleceu!". Nossa, foi como se eu tivesse morrido também. Saí correndo pela rua, chorando desesperada. Como a única pessoa que eu amava tinha ido embora? Isso não entrava na minha cabeça. Foram dias sem dormir, e até hoje a dor e a saudade vivem no meu coração. O que me conforta é que hoje não a vejo mais em cima de uma cama sofrendo, gemendo de dor. Hoje sei que ela está junto do Pai, olhando todos os meus passos, me guiando e cuidando de mim.
Depois do que aconteceu, fui morar com minha mãe e ajudá-la cuidar dos meus irmãos, pois a situação havia melhorado. Minha mãe tinha uma profissão, e em razão disso não nos dávamos muito bem, pois eu não me conformava com fato de ela ter me deixado com minha avó, pensava só coisas ruins, isso me revoltava ainda mais. Eu era agressiva, ignorante, arrogante... A educação que eu havia recebido tinha ido embora junto com minha avó. Carinho? Amor? Eu nem sabia o que era isso. Nunca havia recebido um abraço da minha mãe, e meu pai eu só o tinha visto quando criança e não me lembrava dele. A situação em minha casa era a cada dia pior, tudo vindo da minha ignorância. Anos e anos foram se passando e nada mudava. Todos me aconselhavam: amigos, família, e eu continuava achando que a vitima na história era eu mesma, quando na verdade era eu a maior causadora das brigas que aconteciam, sem pensar que meus irmãos, vendo aquilo, poderiam até ficar contra mim também, e foi o que aconteceu. A única pessoa com quem eu me importava era meu avô! Cansada de sofrer, resolvi entregar minha vida a Deus. Ele está cuidando dela e me fazendo muito FELIZ! Hoje tenho 25 anos, tenho Deus na minha vida! Ano passado tive a experiência de, mesmo sem ter endereço, número de telefone, nada, e fui até a Bahia para conhecer meu pai. Eu o encontrei e o perdoei, e agradeço cada momento pela minha vida, pelos meus familiares, pelos meus amigos que sempre estiveram ao meu lado tentando me salvar ao invés de me deixarem de lado e desistirem de mim.

Esse ano foi o meu primeiro 'PHN' de muitos que virão. Deus me levou até lá através de um sorteio que ganhei e hoje na minha vida tudo mudou: não existem mais brigas na minha casa, eu e minha mãe nos tornamos muito amigas! Minhas amigas não me reconhecem, pois elas sempre foram alvo da minha ignorância, e nem por isso me deixaram de lado. Hoje tenho plena certeza de que o Senhor vive em mim, cuida da minha vida, da minha casa, da minha família e é Nele que confio. Ele está acima de TUDO! 

Vocês que não acreditam e que ainda não deixaram Deus entrar em suas vidas, não sabem o que perdem! Deus é Amor, Vida, Esperança, União, Felicidade, Companheirismo... Ele é tudo! Busquem a Deus! Ele sempre esteve ao seu lado, só você não o percebeu! Abra seu coração que Ele mudará sua vida, e lhe dará a vida que você sonhou!

Espero q tenham sidos comovidos com as minhas palavras e Deus tenha tocados vocês! Antes de reclamar de algo agradeça pelo que tem e peça perdão pelas suas injustiças! Que Deus os abençoe!

Carla Buge
Orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=3442146593648237477
MSN: carla-buge@hotmail.com

"Totalmente abertos a cumprir os desígnios de Deus"

Júlio Jardim - Jovem PHN

Continuando nossa série de testemunhos daqueles que sabem que Deus é nossa IMORTAL JUVENTUDE, trago aos amigos do blog o testemunho de Julio Jardim. Ainda não conheço este jovem pessoalmente, mas tenho por certo que Deus me dará um dia a chance de dar um forte abraço neste rapaz que é mais um dos que foi conquistados pelo infinito amor do Cristo Crucificado. E de modo muito poético, selecionei esta foto do Júlio porque creio que reflete bem o caráter deste amigo PHN: alguem que sabe manter os olhos fixos na meta e na certeza de que O NOSSO LUGAR É O CÉU!!!

Desfrutem do testemunho deste tesouro de Deus. Seja vida na vida de cada um que o ler. Carinho e orações, Julio.

"Aqui está um pouco da minha história de vida, um pouco resumida; sem grandes detalhes! Não chega a ser uma história de conversão que leva a lágrimas, mas sim de retorno à casa do Pai.
 
Desde pequeno sempre participei na Igreja, era uma criança que tinha um entendimento sobre as coisas de Deus bem maior que o de outras crianças da minha faixa etária, devido a todo um processo de formação como criança que recebi num grupo de oração voltado para crianças.

E por volta dos meus 11 anos vem aquela que seria minha primeira briga com Deus: “ Porque meu pais se separaram?” Me tornei uma criança mais agitada, que tinha atitudes mais desobedientes, porém mesmo assim continuava meu processo de formação. Por volta dos meus 14 anos entrei para uma atividade de maior responsabilidade, entrei  para a antiga Secretaria Marcos da RCC aqui na cidade e começamos um trabalho que atingia a juventude de toda a cidade, e aos meus 15 anos e alguns meses, veio a grande queda: por causa de escolhas que fiz, acabei abandonando as velhas amizades em Cristo, comecei a me envolver com bebidas e festas cada vez mais pesadas, andava em meio a jovens que tinham uma ideologia satânica, ao mesmo tempo comecei a andar com pessoas de baile funk, que me apresentaram a uma vida sexual muito jovem e totalmente sem regras. Foi por volta de 1 ano e 2 meses de uma vida totalmente pecaminosa, e sem nada me  satisfizesse. Eu tinha a vida que todo rapaz, todo adolescente, todo jovem gostaria de ter: muitas amizades com influência, oportunidade de se relacionar sexualmente com várias garotas sem o mínimo esforço para que isso acontecesse, e toda essa vida culminou numa festa com um revólver, uma pessoa quase saindo morta e problemas na vida de todos os presentes.

Foi nesse momento que meu coração sentiu que tudo isso que vivi havia sido em vão! E em mim despertou um desejo de retornar à minha antiga casa, a Secretária Marcos da RCC. Ao chegar na minha casa , me deparo com um grupo que só reunia três ou quatro pessoas. Antes nosso grupo com 60/80 jovens havia se resumido em ¾ e aos poucos fomos recriando nossa vida de oração, participamos de um retiro que nos mudou completamente, e com o passar desses últimos anos fomos reconhecendo o  nosso Carisma na Obra de Deus, hoje somos a Pastoral Missionária da Paróquia Nossa Senhora de Fátima em Macaé, RJ. Não somos muitos, mas somos totalmente abertos a cumprir os desígnios de Deus. "

Orkut : http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=11725064671464940920
MSN: julio_csjardim@hotmail.com


Velatam ad Dei Gloriam


Não é de hoje que muito do sentido místico de diversas tradições religiosas tem sido esquecido, marginalizado, jogado ao ostracismo pela onda de relativismo que grassa na sociedade, influenciando inclusive a vivência da essência da fé católica. O mistério divino, que sempre foi e há de ser o sentido dos atos religiosos da Santa Igreja, hoje parece quase criminalizado em tantas comunidades, e a profunda sacralidade de tais gestos é tida como ultrapassada, como se fosse possível e necessário ditar a Deus onde “injetar” novas doses de santidade, mais de acordo com os costumes modernos.
                Dentre tantas realidades que têm sofrido esses ataques – que, diga-se de passagem, seriam até compreensíveis se partissem somente dos detratores da fé católica – o uso do véu pelas mulheres na celebração da Santa Missa é uma das riquezas mais relegadas ao canto escuro do dito “tradicionalismo opressor” da Igreja. Penso que, se em gestos tão repletos do mistério esponsal da Esposa de Cristo enxerga-se somente um traço de uma suposta submissão feminina, pobre do crente que pense poder viver sua fé de acordo com modismos e conceitos culturais vigentes.
                Assim como em tantas outras realidades da fé católica, o uso do véu prefigura, prenúncia, aponta para uma realidade muito maior, ainda que nossos sentidos toquem e contemplem somente os sinais sensíveis do ato em si. De modo sublime, assim como toda a autêntica doutrina cristã, este ato traz em si uma manifestação visível da esponsalidade da Santa Igreja, em sua santa e sempre imaculada fidelidade a seu Divino Esposo. Cabe ressaltar que tal mistério permanece sempre santo e incólume, ainda que seja incompreendido pelos próprios fiéis que apregoem outras verdades da Santa Igreja.
                Por fim, cabe ilustrar nesta pequena reflexão como um gesto tão discreto pode encerrar um sentido tão profundo, intimamente ligado ao amor de predileção de Cristo por Sua Esposa. E, justamente nessa definição, já encontramos toda a realidade transcendente do uso do véu. Neste gesto, a Igreja revela seu anseio e espera pelo Noivo que vem desposá-la, que vem RE-VELAR sua identidade Santa e Imaculada, pelo amor de eleição do Cristo Senhor. Dessa forma, o véu na Santa Missa não só expressa uma beleza ritual muito singular como dinamiza a liturgia, com os gestos do sacerdote e da assembléia compondo a sinfonia do Paraíso do Calvário: Deus oculto sob o véu do pão dá-se em suprema entrega de amor à Sua Esposa Eleita, adornada para este divino enlace, sob o véu da Santidade e Pureza proveniente do mesmo Divino Esposo.
                Vivamos com amor e devoção as riquezas inexauríveis de nossa Santa Igreja Católica.

No Amor Eucaristico de Cristo Jesus
Com carinho e orações
Roberto Amorim – 20/07/2010 22:50h

Todo tempo vivido sem amor é vão...


Hoje mais do que nunca, começo a compreender e experimentar que Deus é além do tempo. Algo tão lógico que Deus me faz compreender na vivência do hoje e esperando sua vontade se realizar em minha vida. Não compreendia a força que o tempo exerce sobre os fatos que cometemos e respostas que ainda estão por vir, mas Deus tem o controle de tudo. Para Deus não existe passado, presente, futuro, hora, dia, mês e ano. Encontro aí à limitação do homem que quer compreender o que sempre existiu: Deus. Deus é o eterno, aquele que é, Senhor do tempo! Deus sempre será! Nossas limitações nos prendem no começo e no fim, mas Deus sempre existiu desde todo o sempre. Para ele, todos os momentos do tempo estão presentes no hoje e o nosso papel é apenas acolher essa verdade e não compreender, pois Deus é infinitamente maior do que tudo aquilo que possamos compreender.
A vida é marcada por medidas criadas pelo homem. Através do tempo temos a noção de estar envolvidos no passado, no presente e no futuro que há de vir. Durante esse tempo temos o livre arbítrio de fazer escolhas para nossa comunhão com Cristo e com o próximo. A melhor coisa a fazer durante o tempo é amar e esperar... Pensar nisto, me faz compreender que temos um tempo limitado, que é a vida, para fazer boas ações e ganhar o céu. A vivência do hoje me dá a certeza de estar no sempre que Deus me sonhou, ele me desejou desde sempre. No meu interior brota uma rica definição do que seja tempo: é o instante apropriado para que nós realizemos algo em nossa vida ou algo se realize em nós por desejo de Deus. O difícil é saber esperar, pois o tempo sempre é a resposta para tudo o que precisamos.
O tempo passa... Não pára! Percebo, no entanto, que realizei muitas coisas boas e quero realizar mais ainda, mas também percebo fatos que poderia ter dado o melhor de mim e não dei, poderia ter evitado e não evitei. O tempo se encarregou de ter transformado tudo isso que vivi em passado.
Mas e minhas lembranças? O tempo não as levou, ficaram guardadas aqui dentro do meu consciente e muitas no meu inconsciente. O que faço? Nestes momentos, vale lembrar que Deus é rico em bondade e misericórdia e não nos acusa daquilo que vivemos e nos arrependemos, ou seja, o que o tempo não faz, Deus está pronto para fazer. 
O tempo é a resposta de Deus e com ele somos formados. A vida é marcada por instantes que o tempo se encarregou de fazer. O que está acontecendo agora é um momento único que, se não aproveitado com sabedoria e intensidade, pode comprometer toda a nossa vida. A certeza que tenho em meu coração é que “embaixo do céu existe um tempo para cada coisa”, como diz a Sagrada Escritura.
Sabe onde podemos encontrar as melhores e eficazes respostas para a nossa vida? No tempo! Não queira correr contra o tempo! Porque as respostas virão cada vez mais eficazes quando o tempo se encarregar de trazê-las no tempo certo. E isso não é redundância, é fato. É sabedoria parar, refletir e aceitar no hoje que o tempo é a resposta para o amanhã. E  afirmo também, que nem sempre o tempo virá com as respostas que desejamos. E aí  então, isto me fará estacionar na vida?  Jamais! Vou construir a minha história com o novo que Deus me dá, me adaptando à Sua Vontade. O tempo não me espera, mas preciso dele para ser bom naquilo que Deus quer de mim e me propõe a cada dia. Para sermos o que Deus quer, só temos o dia de hoje.

Termino essa formação com o pensamento de Santa Terezinha do Menino Jesus que soube viver cada instante da sua vida com intensidade e a capacidade de viver da melhor forma. Assuma está frase para sua vida:  

“Minha vida é só um instante, uma hora passageira. Minha vida é só um dia que me escapa e me foge. Tu sabes, oh, meu Deus: para amar-te nesta terra, tenho o dia de hoje tão somente!”

Aproveite este instante único que está passando pela sua vida com o amor. Todo o tempo vivido sem amor é vão... É tempo de amar, de se doar... É tempo de viver!

Fabrício Santos
15/04/06.

Essência




Pela primeira vez percebo que tudo aquilo que encontro dentro de mim, realmente é quem verdadeiramente sou. Esse é o meu verdadeiro eu. É minha essência como pessoa. Ser único, criado por Deus. Aprendi com uma grande sábia e poeta da vida, Ziza Fernandes, que, “Essência é o contrário de aparência...” E começo a tocar nessa realidade. Vivo cada vez mais perto de mim quando vivo minha essência. Essência é amiga do silêncio, mas não podemos nos calar diante de quem realmente somos. Temos que colocar toda ela para fora e vivê-la com intensidade e sabedoria.
Pensando nisso, fui meditando todas as ocasiões da minha vida e se realmente estou deixando minha essência transparecer ou se estou vivendo somente de aparências. E descobri que minha essência é alegre, é única, e até afirmo dizer que não existe em lugar nenhum uma essência igual a minha e igual a sua. Descobri que durante todos os nossos dias criamos máscaras que devemos usar nas diversas situações que a vida nos traz. Na faculdade, eu crio a máscara de aluno; dentro da comunidade, crio a máscara de coordenador; em casa crio, a máscara de filho; mas realmente a minha essência eu vivo quando estou só ou com amigos que me trazem o sentimento de confiança, que me aceitam como sou. Esses realmente sabem quem sou, sabem da minha história, conhecem a minha essência. E quando vivo minha essência, mais me remeto a Deus que é puro e que me aceita do meu jeito. Aí, encontro pureza para viver, encontro cura.
De repente, ao escrever esta formação abri um sorriso e em frente ao espelho pude perceber quão espontâneo é meu sorriso e quantas vezes o meu interior vai se tornando para o próximo fonte de verdadeira alegria que brota da alma. Pelo decorrer de cada dia, percebo que a alegria faz parte da essência de todas as pessoas. Temos que trabalhá-la e deixá-la transparecer, irradiar dentro de nós. Começo a entender que a alma alegre traz em si uma essência amada e que se doa para o amor. Quem ama sorri e mostra sua essência, mesmo quando não quer. É um ato puro, vem de Deus. Ele transparece mesmo quando não percebemos ou queremos.
O sorriso comunica algo da existência divina e pode falar muito da vida interior de uma pessoa. Eu comunico toda a minha alegria interior através do sorriso e muitos já me conhecem profundamente apenas por essa expressão facial que brota singelamente do meu rosto. Vale lembrar que tudo aquilo de bom que existe em nós é dom de Deus e tenho certeza que este sorriso é canal de graça para Deus comunicar a alegria para o meu próximo. Além do mais, o sorriso nos torna sensíveis à necessidade dos outros e assim podemos nos empenhar em viver em fraternidade que nos forma constantemente.
Senti em meu interior algo bom, percebi que através do meu sorriso espontâneo posso levar ao próximo alegria, que é fruto do Espírito Santo. Chego a conclusão que para mim não gera vaidade, mas, o meu sorriso comunica algo da existência divina. Uma expressão simples da nossa parte, que não exige muito e que movimenta somente alguns músculos da nossa face, mas fala abertamente quem somos e o de como está o nosso interior, nossa essência única dada por Deus.
O sorriso deve ser automático na face humana, deve ser divino para tocarmos no sobrenatural de Deus e tem que ser espontâneo para a ação de Deus acontecer em nós e para os irmãos. E o que é importante saber é que além do sorriso fazer bem ao próximo, ele também traz benefícios a nós e os maiores entre eles são os benefícios para a alma. Afirmo dizer que quem traz em si um simples sorriso é cumulado de dons e vive uma dádiva: ser instrumento de alegria para o mundo marcado pela tristeza que é conseqüência do pecado. Para mim, os benefícios materiais são apenas conseqüência de uma vida bem vivida. Sei que Deus se empenha nisso, no meu bem estar. Até porque, quem vive em Deus também conhece o sofrimento e a mínima alegria pode surpreender. O termo essencial que escrevi acima foi muito bem colocado, o sorriso é a essência da alma e existência divina que há em nós. Assim cada vez mais acredito na santa palavra de Deus e deposito maior confiança quando ela nos diz: “A alegria do coração é a vida do homem, e um inesgotável tesouro de santidade.” (Ecl 30, 23).
Então, vamos aprender juntos: Essência não pode ser comparação. Comparar-se é uma maneira terrível de se descobrir como parar, porque sempre levanta o pior de nós. Olhar com humildade nossa essência e perceber que ela faz parte de Deus e perceber para a pureza do nosso ser é levantar a Deus uma ação de graças mesmo calado e que com certeza grita no interior das almas. O sorriso apenas vai falar um pouco de quem somos, mas a essência vai gritar mais alto o que realmente somos. Pense: Um dia vi em mim um sorriso nunca visto: Era minha essência roubando minha aparência e tomando finalmente o seu lugar de volta.”

O que você está vivendo? Essência ou aparência?

Fabrício Santos

Hoje eu Quero Chorar



Quem disse que chorar é exprimir tristeza? Quem disse que chorar é uma expressão de dor? Quem disse? Por acaso foi o Aurélio?
Mas o Aurélio também disse que o choro é um conjunto instrumental com flauta, violão e cavaquinho; e para intensificar a harmonia inseriram o bandolim, a clarinete e o pandeiro. Festa para quem é faceiro!
Choro, chorinho e chorão! Choro grande, choro pequeno, choro de contemplação.
Mas isso tudo não passa de uma introdução para dizer que hoje quero chorar. Quero chorar de todas as formas: de tristeza e de alegria, de admiração ou decepção, chorar com as verdades ou com as ilusões; isso tudo porque o mundo é contradição e eu tenho minhas razões.
Razões que me fazem de fato chorar mesmo que eu não queira, mas às vezes é impossível evitar que lágrimas não caiam de meu olhar. Às vezes eu as prendo e fico com o nó na garganta para que ninguém possa notar.
Queria ser como o palhaço, que pinta seu rosto e sai para animar, se estiver triste, ninguém conseguirá enxergar. A sua máscara esconde a mágoa que acaba por ser substituída pela alegria dos que riem da graça do palhaço que antes era triste.
Hoje eu quero chorar e derramar minhas lágrimas. Quero chorar as dores do doce e amargo mundo.
Também quero chorar ao ouvir a melodia que é entoada todos os dias. Nessa melodia as notas que compõem os acordes são emitidas no sol, lá, si dos bem- ti- vis e no cri-cri dos grilos. A mãe natureza me trás alegria por que ela é feita por choros que são melodias. É o buá da criança quando sai do ventre de sua mãe e o buá da mãe que deu a vida. É o chuá das águas que descem do céu e o chuá das águas que correm nos rios. É o barulho do vento batendo nas folhagens das árvores e o toctoc das marteladas do carpinteiro a moldar a cama no qual irei repousar.
O dia que era claro se fez noite que é escura. Mas não quero viver a escuridão do fim do dia, não quero chorar “por ter perdido o sol, as lágrimas me impedirão de ver as estrelas”.
Ao chorar tudo o que hoje quis, minha alma encontra-se limpa, leve e solta. E essa leveza por ter a alma livre permite que eu contemple com exatidão o perfil da noite que não é escura, esta é iluminada pelo brilho da lua e das estrelas.
Um jogo de luz que ilumina aqui e ali cada músico que toca a sinfonia da mãe terra, obra do Divino.

Jeus Sacramentado,
Nosso Deus Amado.
Aline Xavier Bras -
08 de julho de 2010

SAUDADES DO CÉU



O coração já não cabe inteiro no peito. Sinto cada dia como uma grande declaração de amor do Pai por mim e pelos meus. Busco em cada olhar aquela Divina Centelha de Amor que Ele plantou em cada um de nós, seus amados filhos. E busco também deixar nos outros somente aquilo que em mim é semente de eternidade. Busco seguir a rota do eterno presente nesta vida passageira. E chego à feliz conclusão de que já não sei viver sem pertencer a esse Deus que troca reinos por mim (Is 43) e me convida a com Ele viver a plenitude da vida. Chego à conclusão de que esse é meu caminho, minha vocação e meu repouso, meu refrigério e sustentáculo. Não dá pra negar: Meu coração tem saudades do Céu! Não uma saudade qualquer, romântica, piegas. E nem um desejo desencarnado de uma vida melhor, mas a saudade genuína, aquela dorzinha silenciosa e serena no fundo da alma. A vontade de buscar um pouco além do que os sentidos captam. Viver a fé e pela fé, possuindo já aquilo que espero, construindo aqui o que no céu herdarei.
Meu coração tem saudades do céu porque em cada decisão e caminho tomados vejo rastros de Suas pegadas ao meu lado. Como o menino que ao acordar de manhã mesmo não vendo o Pai, que já saiu bem cedo para prover o sustento, encontra em toda a casa pequenos bilhetes dizendo: "Juízo, filho! Papai te ama!" E mesmo sem ver, o coração daquele filho aquieta-se e fica em paz por saber que o Pai está perto. E sente aquela saudade gostosa querendo que o Pai retorne e em Seus braços o filho possa repousar e desfrutar de Sua presença.
Mas enquanto o Pai não chega, eu quero esperá-lo limpo e bem arrumado. E se possível arrumar também a casa. Essa saudade do Eterno me faz querer viver o Céu já aqui e criá-lo para os outros. Viver a cidadania celeste transformar o que me rodeia para que outros cheguem também a experimentar o Infinito presente no limitado que vivemos.
E um dia eu sei que essa saudade vai acabar. E se o Pai não vier me buscar, eu vou até lá. Eu volto pra este Céu que nunca vi e nem sei como é, mas do qual não esqueço jamais. E chegando lá, no abraço que me espera, eu talvez até diga: "Ah, Pai! Eu senti tanta saudade!"

E se lendo esse texto, em algum momento você sentiu uma dorzinha gostosa lá dentro de si, não se preocupe. Provavelmente é só saudade...


Com carinho e orações
Paz e bem
Roberto Amorim  - 09/07/2010

Adeus





             
"Hoje posso perceber o valor de uma amizade 
Pois, Divino Amigo, com carinho me ensinastes"
(Coração em Comunhão - Fraternidade Toca de Assis)

                  A mim não restam dúvidas que Deus desenha nossa vida muitas vezes com as cores da vida de outras pessoas; Ele traz ao nosso baú de tesouros riquezas que existem em outros sacrários vivos. Bem , por este tempo Deus trouxe em minha vida um tesouro de testemunho de vida chamado Aline Xavier, um diamante de rarissima beleza. Ainda não teremos aqui o testemunho dessa menina, mas deixo a vocês o sabor de Deus das palavras que o Santo Espírito inspirou a ela. Desfrutemos dos mananciais de salvação que jorram de vidas adoradoras, assim como a vida de Aline.


A vida é constituída de constantes despedidas; estamos sempre tendo que dizer adeus a alguma coisa ou a alguém. Dizemos adeus ao dia que passou, por algo que se acabou, ou a um sentimento que se dispensou. Mas de todos os adeuses existe aquele que é bem mais doloroso: dar adeus a quem gostamos. Penso que momentos como esse não deveriam existir,  as pessoas nunca precisassem dizer essa palavra aos seus amados, mesmo sabendo que algumas vezes elas são necessárias.
Somos seres sociais, dotados de sentimentos que às vezes ultrapassam os limites. Temos necessidade de estar juntos; trocar carinho, afeto, palavras. Apegamo-nos às pessoas de tal forma que chega a doer, e diante de tamanha união, a dor de dizer adeus torna-se dilacerante. Sofremos pela distância que separa dois ou mais corpos; desperta dentro em nós o amor, e não é a separação física que irá colocar fim a esse nobre sentimento; pelo contrário, é essa mesma distância que irá provar o quanto somos fiéis às nossas amizades, a capacidade de não esquecer aquilo que nos marcou por tempos e tempos.
Como queria não ter que dizer adeus! Mas se necessário eu o direi, com o coração partido, sangrando, mas direi. Digo deixando claro que dentro de uma grande amizade, o tempo não apaga todas as emoções vividas, cada palavra dita, o primeiro encontro...  É assim, nada é pra sempre, tudo tem um fim. A diferença está na forma como iremos conduzir cada situação, cada dia e cada momento. Dentro da amizade, os laços que se criam não são para serem rompidos. As raízes deste bem querer se encontram em solo profundo e, por estar bem fixada no chão de nosso coração, é que sobrevivemos ao adeus e assim conseguimos caminhar.
Adeus, palavra que dói na alma, que nos faz chorar e sentir falta, que desperta saudades e nos faz em pedaços. Adeus, palavra que também me faz lembrar de minhas responsabilidades para com a “rosa que cativei”.
 “-Adeus, disse ele...
-Adeus, disse a raposa. Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem o coração. O essencial é invisível para os olhos.
- O essencial é invisível para os olhos, repetiu o principezinho, a fim de lembra-se de algo.
- Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante.
- Foi o tempo que perdi com a minha rosa... repetiu o principezinho a fim de se lembrar.
-Os homens esqueceram essa verdade, disse a raposa. Mas tu não deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela rosa...
-Eu sou responsável pela minha rosa... repetiu o principezinho a fim de se lembrar.”
E assim será. Jamais irei esquecer a verdade de zelar e cuidar de minha rosa. Ela é o essencial visível aos meus olhos ontem, hoje, amanhã e sempre. Não é o adeus, não é a distância, a saudade, a dor da ausência que irá apagar  de minha memória, do íntimo de meu coração as poucas e verdadeiras amizades que ao longo do tempo consegui cativar. Elas serviram como o meu suporte, minha razão de não desistir de algumas situações e o mais importante: elas foram jóias que o Senhor me concedeu, o tesouro vindo dos céus e abençoado por Deus.
“Num mundo que se faz deserto, temos sede de encontrar um amigo”.

Dedicado a todos que conhecem
o valor de uma amizade
Aline Xavier Bras