SAUDADES DO CÉU



O coração já não cabe inteiro no peito. Sinto cada dia como uma grande declaração de amor do Pai por mim e pelos meus. Busco em cada olhar aquela Divina Centelha de Amor que Ele plantou em cada um de nós, seus amados filhos. E busco também deixar nos outros somente aquilo que em mim é semente de eternidade. Busco seguir a rota do eterno presente nesta vida passageira. E chego à feliz conclusão de que já não sei viver sem pertencer a esse Deus que troca reinos por mim (Is 43) e me convida a com Ele viver a plenitude da vida. Chego à conclusão de que esse é meu caminho, minha vocação e meu repouso, meu refrigério e sustentáculo. Não dá pra negar: Meu coração tem saudades do Céu! Não uma saudade qualquer, romântica, piegas. E nem um desejo desencarnado de uma vida melhor, mas a saudade genuína, aquela dorzinha silenciosa e serena no fundo da alma. A vontade de buscar um pouco além do que os sentidos captam. Viver a fé e pela fé, possuindo já aquilo que espero, construindo aqui o que no céu herdarei.
Meu coração tem saudades do céu porque em cada decisão e caminho tomados vejo rastros de Suas pegadas ao meu lado. Como o menino que ao acordar de manhã mesmo não vendo o Pai, que já saiu bem cedo para prover o sustento, encontra em toda a casa pequenos bilhetes dizendo: "Juízo, filho! Papai te ama!" E mesmo sem ver, o coração daquele filho aquieta-se e fica em paz por saber que o Pai está perto. E sente aquela saudade gostosa querendo que o Pai retorne e em Seus braços o filho possa repousar e desfrutar de Sua presença.
Mas enquanto o Pai não chega, eu quero esperá-lo limpo e bem arrumado. E se possível arrumar também a casa. Essa saudade do Eterno me faz querer viver o Céu já aqui e criá-lo para os outros. Viver a cidadania celeste transformar o que me rodeia para que outros cheguem também a experimentar o Infinito presente no limitado que vivemos.
E um dia eu sei que essa saudade vai acabar. E se o Pai não vier me buscar, eu vou até lá. Eu volto pra este Céu que nunca vi e nem sei como é, mas do qual não esqueço jamais. E chegando lá, no abraço que me espera, eu talvez até diga: "Ah, Pai! Eu senti tanta saudade!"

E se lendo esse texto, em algum momento você sentiu uma dorzinha gostosa lá dentro de si, não se preocupe. Provavelmente é só saudade...


Com carinho e orações
Paz e bem
Roberto Amorim  - 09/07/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário