Velatam ad Dei Gloriam


Não é de hoje que muito do sentido místico de diversas tradições religiosas tem sido esquecido, marginalizado, jogado ao ostracismo pela onda de relativismo que grassa na sociedade, influenciando inclusive a vivência da essência da fé católica. O mistério divino, que sempre foi e há de ser o sentido dos atos religiosos da Santa Igreja, hoje parece quase criminalizado em tantas comunidades, e a profunda sacralidade de tais gestos é tida como ultrapassada, como se fosse possível e necessário ditar a Deus onde “injetar” novas doses de santidade, mais de acordo com os costumes modernos.
                Dentre tantas realidades que têm sofrido esses ataques – que, diga-se de passagem, seriam até compreensíveis se partissem somente dos detratores da fé católica – o uso do véu pelas mulheres na celebração da Santa Missa é uma das riquezas mais relegadas ao canto escuro do dito “tradicionalismo opressor” da Igreja. Penso que, se em gestos tão repletos do mistério esponsal da Esposa de Cristo enxerga-se somente um traço de uma suposta submissão feminina, pobre do crente que pense poder viver sua fé de acordo com modismos e conceitos culturais vigentes.
                Assim como em tantas outras realidades da fé católica, o uso do véu prefigura, prenúncia, aponta para uma realidade muito maior, ainda que nossos sentidos toquem e contemplem somente os sinais sensíveis do ato em si. De modo sublime, assim como toda a autêntica doutrina cristã, este ato traz em si uma manifestação visível da esponsalidade da Santa Igreja, em sua santa e sempre imaculada fidelidade a seu Divino Esposo. Cabe ressaltar que tal mistério permanece sempre santo e incólume, ainda que seja incompreendido pelos próprios fiéis que apregoem outras verdades da Santa Igreja.
                Por fim, cabe ilustrar nesta pequena reflexão como um gesto tão discreto pode encerrar um sentido tão profundo, intimamente ligado ao amor de predileção de Cristo por Sua Esposa. E, justamente nessa definição, já encontramos toda a realidade transcendente do uso do véu. Neste gesto, a Igreja revela seu anseio e espera pelo Noivo que vem desposá-la, que vem RE-VELAR sua identidade Santa e Imaculada, pelo amor de eleição do Cristo Senhor. Dessa forma, o véu na Santa Missa não só expressa uma beleza ritual muito singular como dinamiza a liturgia, com os gestos do sacerdote e da assembléia compondo a sinfonia do Paraíso do Calvário: Deus oculto sob o véu do pão dá-se em suprema entrega de amor à Sua Esposa Eleita, adornada para este divino enlace, sob o véu da Santidade e Pureza proveniente do mesmo Divino Esposo.
                Vivamos com amor e devoção as riquezas inexauríveis de nossa Santa Igreja Católica.

No Amor Eucaristico de Cristo Jesus
Com carinho e orações
Roberto Amorim – 20/07/2010 22:50h

Um comentário:

  1. Belíssimo texto! Parabéns!

    Fabricia Rodrigues

    ResponderExcluir