Adeus





             
"Hoje posso perceber o valor de uma amizade 
Pois, Divino Amigo, com carinho me ensinastes"
(Coração em Comunhão - Fraternidade Toca de Assis)

                  A mim não restam dúvidas que Deus desenha nossa vida muitas vezes com as cores da vida de outras pessoas; Ele traz ao nosso baú de tesouros riquezas que existem em outros sacrários vivos. Bem , por este tempo Deus trouxe em minha vida um tesouro de testemunho de vida chamado Aline Xavier, um diamante de rarissima beleza. Ainda não teremos aqui o testemunho dessa menina, mas deixo a vocês o sabor de Deus das palavras que o Santo Espírito inspirou a ela. Desfrutemos dos mananciais de salvação que jorram de vidas adoradoras, assim como a vida de Aline.


A vida é constituída de constantes despedidas; estamos sempre tendo que dizer adeus a alguma coisa ou a alguém. Dizemos adeus ao dia que passou, por algo que se acabou, ou a um sentimento que se dispensou. Mas de todos os adeuses existe aquele que é bem mais doloroso: dar adeus a quem gostamos. Penso que momentos como esse não deveriam existir,  as pessoas nunca precisassem dizer essa palavra aos seus amados, mesmo sabendo que algumas vezes elas são necessárias.
Somos seres sociais, dotados de sentimentos que às vezes ultrapassam os limites. Temos necessidade de estar juntos; trocar carinho, afeto, palavras. Apegamo-nos às pessoas de tal forma que chega a doer, e diante de tamanha união, a dor de dizer adeus torna-se dilacerante. Sofremos pela distância que separa dois ou mais corpos; desperta dentro em nós o amor, e não é a separação física que irá colocar fim a esse nobre sentimento; pelo contrário, é essa mesma distância que irá provar o quanto somos fiéis às nossas amizades, a capacidade de não esquecer aquilo que nos marcou por tempos e tempos.
Como queria não ter que dizer adeus! Mas se necessário eu o direi, com o coração partido, sangrando, mas direi. Digo deixando claro que dentro de uma grande amizade, o tempo não apaga todas as emoções vividas, cada palavra dita, o primeiro encontro...  É assim, nada é pra sempre, tudo tem um fim. A diferença está na forma como iremos conduzir cada situação, cada dia e cada momento. Dentro da amizade, os laços que se criam não são para serem rompidos. As raízes deste bem querer se encontram em solo profundo e, por estar bem fixada no chão de nosso coração, é que sobrevivemos ao adeus e assim conseguimos caminhar.
Adeus, palavra que dói na alma, que nos faz chorar e sentir falta, que desperta saudades e nos faz em pedaços. Adeus, palavra que também me faz lembrar de minhas responsabilidades para com a “rosa que cativei”.
 “-Adeus, disse ele...
-Adeus, disse a raposa. Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem o coração. O essencial é invisível para os olhos.
- O essencial é invisível para os olhos, repetiu o principezinho, a fim de lembra-se de algo.
- Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante.
- Foi o tempo que perdi com a minha rosa... repetiu o principezinho a fim de se lembrar.
-Os homens esqueceram essa verdade, disse a raposa. Mas tu não deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela rosa...
-Eu sou responsável pela minha rosa... repetiu o principezinho a fim de se lembrar.”
E assim será. Jamais irei esquecer a verdade de zelar e cuidar de minha rosa. Ela é o essencial visível aos meus olhos ontem, hoje, amanhã e sempre. Não é o adeus, não é a distância, a saudade, a dor da ausência que irá apagar  de minha memória, do íntimo de meu coração as poucas e verdadeiras amizades que ao longo do tempo consegui cativar. Elas serviram como o meu suporte, minha razão de não desistir de algumas situações e o mais importante: elas foram jóias que o Senhor me concedeu, o tesouro vindo dos céus e abençoado por Deus.
“Num mundo que se faz deserto, temos sede de encontrar um amigo”.

Dedicado a todos que conhecem
o valor de uma amizade
Aline Xavier Bras

Nenhum comentário:

Postar um comentário