E Deus te Fez Mulher...


Tudo parecia já estar completo e definido. O Divino Artesão, inflamado de Amor, contemplava sorrindo toda a Sua Criação e via que tudo era muito bom. Fontes de água cristalina, bosques com as mais frondosas árvores, céu azul e estrelas pontilhando as noites imemoriais do principio dos tempos. Tudo brotara do Seu Coração de Pai, tal quais raios e trovões de amor e misericórdia nascem de nuvens carregadas do Amor Divino. O Sonho do Criador estava pronto e maravilhava Seus Divinos Olhos! E coroando a criação sua mais preciosa e predileta obra, feito à Sua imagem e semelhança. Dentre toda a Criação, o único ser que receberia a estatura de FILHO: O HOMEM!

Ora, o Divino Artista tem coração de Poeta, e nesta aguda e divina sensibilidade, percebeu uma pontinha de solidão que precisava ainda ser colorida com Seu Amor. E tendo feito adormecer o varão e com um lindo sorriso antevendo a surpresa que lhe faria, tira de Seu Coração toda a delicadeza que pode e da costela do Homem o material humano com que adornaria primorosamente a pintura da Criação. E dos delicados canteiros de Sua Divina Inspiração, ornada de artísticos contornos, plantou na terra a sua mais bela flor. E DEUS FEZ A MULHER!

Creio que no fundo do coração de Deus não havia outra intenção ao criar a mulher que não fosse inserir na história Sua Ternura e Delicadeza divinas por meio da personalidade feminina, sem fazer disso um sinal de fraqueza ou pieguice. Deus fez a mulher não fraca, mas frágil. E todos sabemos que na verdade as coisas mais frágeis são normalmente as mais valiosas. Na identidade feminina reside o mistério da força e formosura divinas que se nos revelam em tantos detalhes, de modo especial no dom da maternidade. Que presente do céu para as mulheres poderem ser celeiro da inspiração do Pai, sendo guardiãs e colaboradoras do Dom da Vida!


Ainda que nos tempos modernos a imagem feminina seja tão violentada, vulgarizada, posta num caldeirão de indignidades próprias de uma sociedade que não enxerga o valor do ser humano, saibamos que nos lábios do Senhor a palavra “MULHER” é um título. “Mulher” Ele chama àquela que entre a multidão que o espremia nas ruas da Galiléia foi a única que se atreveu e a tocá-lo. Impelido a olhá-la nos olhos, declarou firmemente: “Mulher, a tua fé te salvou!”. E também a ressurreição, o grito de que a tumba estava vazia foi dado corajosamente em primeiro lugar pela voz feminina.


E se tão somente em tudo isso o Deus Todo Poderoso já não fez da mulher um ser de altíssima dignidade, desejou Ele mesmo vir ao mundo pelo ventre puríssimo de uma mulher especial. Reservou a si mesmo a mais especial das Flores para ser Sua Mãe, aquela que mereceria de fato o titulo de A MULHER! Se o Deus Eterno e Absoluto desejou ser abrigado no ventre feminino, que maior dignidade é necessária dizer da natureza feminina?


Que essa reflexão, inspirada ao meu coração por Aquele que as criou possa ser para cada menina, cada senhora, cada jovem, cada MULHER um recado da parte do Senhor! Que saibam o quanto Deus as ama e o quão especiais são na história da salvação. O teu valor de mulher não está fora, mas dentro de ti mesma. Tua dignidade está em saber-se amada por Deus e por isso mesmo o valor que tens é justamente o valor de Princesas, filhas do Rei dos Reis!


Dedico este texto a todas as filhas de Deus, especialmente às minhas irmãs PHN, sinais maravilhosos do carinho do Senhor por nós, homens de Deus.


Com carinho e orações
Roberto Amorim

Quando o Sofrimento Bater à sua Porta...

temQuando o sofrimento bater à sua porta, é melhor abrir...

É uma frase desconcertante, não? Porém ela serviu de ponte para milagres no qual eu presencio todos os dias na vida daqueles que acreditam em Deus e, principalmente na vida de uma pessoa no qual eu amo muito.

Na sexta-feira Santa, a mãe da minha namorada deu entrada em um PS de Osasco-SP, no qual a princípio era uma dor de estômago. Bem que poderia ser isso né? Mas infelizmente não foi. Um infarto colocou a minha sogra numa UTI.

Até então, aquilo era uma novidade pra família dela que nunca tinha passado por problema semelhante na família, principalmente para a minha namorada.
Um dia antes de ela ser transferida do PS para a UTI, a minha namorada chorou o dia inteiro. Não queria comer nem sair de casa. Até que abro o livro do Pe. Fabio de Melo e encontro a frase que está no título: “Quando o sofrimento bater a sua porta, é melhor abrir...”. Através desse texto eu procurei explicar para a minha namorada o porquê do momento que a mãe dela e toda a família estavam atravessando e procurei dar forças a ela.

Quando ela estava mais calma, eu voltei pra casa, na semana seguinte eu voltei pra Osasco e fui ver a minha sogra na UTI. Quando eu entrei na UTI a minha sogra disse uma frase mais desconcertante ainda, no qual deu a impressão de que ela sentiu a frase que eu disse pra minha namorada, que foi: “Henrique, eu to sofrendo de tanto ser furada aqui, to urinando sangue, mas eu só consigo dizer uma coisa, que é OBRIGADO SENHOR!”. Segurei ao máximo as lágrimas e compreendi o porque do Pe. Fabio colocar essa frase no livro dele.
Essa frase ela tem um poder enorme para nos dar forças para seguirmos a Jesus mesmo nos momentos em que o sofrimento bate a nossa porta.

Depois de tudo isso que aconteceu, uma coisa é FATO: pela primeira vez na vida eu aprendi que mesmo nas tribulações, nós temos que ser forte e ter a certeza de que “Tudo podemos naquele que nos fortalece”.
Hoje eu agradeço a Deus por todas as maravilhas que ele faz na minha vida, na vida da minha família, no meu namoro, enfim... Assim como a minha sogra, eu digo “OBRIGADO SENHOR!”.

Com carinho

Henrique Flores da Silva
NG Comunicação – Comunicação pra Deus é a Nossa Vida

ELA


Qualquer um de nós que queira viver plenamente uma vida de crescimento espiritual e de constante adentrar na intimidade do coração de Deus, não pode em nenhuma hipótese ignorar a presença e importância DELA no plano da Salvação, sem o risco certo de perder a integralidade da fé cristã. ELA é o vínculo indissolúvel entre a Divindade do Verbo e a Humanidade assumida por Ele. Deus Pai quis que, para entrar na história humana, Seu Divino Filho atravessasse o corpo sem mácula da Mulher. Portanto, falar da Salvação é falar Dela. Falar de Jesus, do Seu Calvário, da Eucaristia, de todas as riquezas místicas da vida do Salvador feito homem, é ao mesmo tempo contemplar aquela que foi a primeira cristã, MARIA, tabernáculo vivo e verdadeiro do Esplendor da Glória do Pai.


Parece contraditório que a presença de Maria nos Evangelhos, ainda que muito silenciosa e discreta, seja justamente por isso um inexaurível manancial de aprendizado para nós cristãos. O momento da Anunciação, a fuga para o Egito, as Bodas de Caná... Cada uma dessas passagens nos traz ao coração a certeza de uma poderosa manifestação divina que tivera seu princípio no SIM dito naquele dia em Nazaré, naquele FIAT VOLUNTAS TUA de Maria, em resposta à mensagem que o Anjo lhe trazia. Já na saudação feita pelo Anjo podemos desfrutar de uma imensa riqueza espiritual. Ao dizer “Ave, cheia de Graça...” o termo “cheia”, que também podemos entender por plena traz para nós não o significado de uma realidade estática, como se Maria estivesse estagnada numa plenitude de graça que não se renova, mas que já tem seu termo final. O termo “cheia/plena” quer significar o transbordamento da Graça Divina em Maria por ela estar permanentemente sob a fonte dessa Graça. Assim, Maria torna-se receptáculo de uma Graça inesgotável que jorra do Coração do Criador para ela que seria mãe do Deus feito homem.


Se na Anunciação já se desvelava para nós a grandeza desta Mulher, esta mesma plenitude da Graça foi que fez com que ela se tornasse para nós o modelo de contemplação do rosto de Jesus. Mais do que qualquer criatura neste mundo, Ela nos ensinou a perfeita mística do ser cristão. No calvário, aos pés da Cruz, Maria é para nós também modelo de entrega, pois o seu Sim não fora dito somente em Nazaré, mas durante toda a sua vida e de modo ainda mais intenso nesse instante da cruz, em que ainda que seu coração de mãe não compreendesse, era necessário mais uma vez dizer ao contemplar o corpo do Senhor suspenso na cruz: “Fiat Voluntas Tua”. Tal serenidade não é para nós imagem de uma omissão ou de um masoquismo, mas antes, é a plena adesão ao plano de Deus para salvar o homem. Em Maria, a desobediência de Eva é redimida assim como em Jesus o pecado de Adão é lavado.


Por tudo isso, falar Dela é falar da maravilhosa ação divina no tempo, na humanidade, na história. Deus quis morar em nós e escolheu a Ela como primeira “casa”. Dela Jesus recebeu toda a sua humanidade, o seu jeito, o seu tom de voz, a cor dos cabelos... Ele a Ela pertencia de modo primaz, ainda que Ela mesma a Ele pertencesse por Ele ser Deus.


Termino esta pequena reflexão com um poema recitado em 1823, num caso impressionante de exorcismo. Nessa época, discutia-se entre os teólogos sobre a verdade da Imaculada Conceição, que só seria proclamada como dogma de fé trinta e um anos depois. Pois bem, dois frades foram convidados a exorcizar um rapaz e em determinado momento impuseram ao demônio que demonstrasse que Maria era Imaculada, obrigando-o a recitar um soneto. Note-se que o rapaz possuído era um menino analfabeto de 12 anos. Imediatamente Satanás pronunciou os seguintes versos:

Vera Mãe sou de um Deus que é Filho
E sou filha Dele, embora Sua Mãe
Ab eterno Ele nasceu e é meu Filho
No tempo nasci eu que sou a Mãe.
Ele é o meu Criador e é meu Filho;
Eu sou sua criatura e sua Mãe.
Prodígio Divino foi ser meu Filho
Um Deus Eterno, e me ter por Mãe.
O ser é quase comum entre Mãe e Filho
Porque o ser do Filho teve a Mãe
E o ser da Mãe teve também o Filho.
Ora, se o ser do Filho foi também da Mãe
Ou se dirá que foi manchado o Filho
Ou sem mácula se há de dizer a Mãe

Assim, entreguemos à Mãe Imaculada nosso coração de filhos, pedindo que ela nos cuide, oriente, mostre-nos sempre o caminho de Seu Filho. Que aquela que foi escolhida pelo Criador do Universo para ser o primeiro Sacrário da história nos ensine a adorar e contemplar Jesus Cristo.


Com carinho e orações
Irmão Pelicano.
23/04/2009 – 3:00am

Um Estilo de Vida














Aquele dia amanheceu nublado. Vento frio, chuva fina... As pessoas que pelas ruas passavam pareciam cinzas por dentro, tanto quanto as nuvens que nublavam o céu. O clima, atípico mesmo para o inverno, acabou por encontrar brecha e lugar no coração dos que se aventuravam a enfrentar o dia. Nos rostos, vazios de sorriso, transparecia o frio que grassava pelas ruas. Junto com o frio, todos pareciam presos a uma solidão interior, acorrentados à mera assimilação das condições exteriores e ecoando o inexpressivo silêncio que os envolvia. A baixa temperatura marcada pelos termômetros de praça parecia vir dos sentimentos de cada coração nessa fria manhã de Setembro. Ainda que tantas vezes os estudos sociais qualificassem o homem como produto do meio, me assaltava a percepção a ideia de que, naquela manhã, o meio era fruto do homem. E em meio a tudo isso, percebi também dentro em mim que aquele frio e solidão nublavam meu céu interior. E semelhante à chuva fina que me atingia os cabelos, sentia o coração verter as gotas de outra garoa, uma que só eu percebia. Fina, discreta, silenciosa, porém muito intensa. Uma furtiva gota escapou-me do coração e resolveu escorrer pelo meu rosto. Eram agora uma só realidade a chuva fina das ruas e a minha garoa interior. A de fora causada pelos fenômenos físicos das alterações de temperatura. A do meu interior, fruto de mais um desacerto, de um desencontro entre o que creio e o que alcanço, entre o que desejo e o que consigo.

Comecei então a pensar no meu propósito de viver intensamente a vida em Deus através deste caminho chamado PHN. Percebi que isso precisa ser mais do que uma frase de efeito, mais do que uma estampa numa camiseta, do que um adesivo na janela do carro. Ser jovem PHN é algo além! Uma busca interior que, bem orientada, transbordará numa atitude concreta dia após dia de optar por dizer NÃO a tudo que me desfigure como filho de Deus. O PHN é de fato um estilo de vida diferente, fruto não de um seguimento de regras estéreis, farisaicas, mas de um encontro interior que nos apaixona e nos leva a demonstrar em TUDO o quanto Deus mudou nossa vida, buscando não a perfeição, pois isso pesaria demais sobre os nossos ombros, mas o equilíbrio e coerência com o que desejamos viver.

Por muito tempo minhas quedas foram ocasiões de grandes crises e acusações interiores muito violentas. Sentia-me indigno de continuar considerando-me um jovem que buscava a santidade. Hoje entendo que em cada um dos meus erros existe na verdade a mão do Senhor conduzindo e ensinando meu coração a ser melhor e mais parecido com o Dele. Ao mesmo tempo, sei que também não posso colocar em tudo a justificativa da minha humanidade frágil. Eu preciso lutar, com aquilo que me cabe, para não deixar de ser de Deus. Estender minhas mãos em direção à dose de responsabilidade que me é própria para a constância da minha vivência do PHN. Não posso aproximar-me dos precipícios se sei que corro o risco de cair.

Naquela fria manhã de Setembro, o céu não abriu, o sol não apareceu de repente, e eu nem mesmo me alegrei de forma repentina. Mas sei que aquela lágrima que me escorreu dos olhos era tão somente o firme desejo de ser pra Deus aquilo que Ele sonha. Muito mais do que uma lágrima, era um carinho do Senhor em meu rosto, dizendo: “Fica tranquilo! Estou aqui e sei do teu esforço! Não te deixes acusar por teus erros, mas busca-me mais intensamente! Sê fiel na tua busca e Eu te farei fiel na santidade que desejo para ti!”

É com essa frase que gostaria de terminar este desabafo, esta partilha. Geração PHN:


“Sê fiel em tua busca e Eu te farei fiel na santidade que desejo para vós!”



Com carinho e orações
Roberto Amorim

É PRECISO CORAGEM PARA SER DE DEUS!

Ao olharmos para a Igreja, hoje, nos deparamos com a beleza do grande número de jovens que se entregam ao serviço do Senhor. Jovens que deixaram tudo: projetos, juventude, sonhos, para sonhar o sonho de Deus, para dedicar a vida à salvação das almas. Vocações que se levantam, a cada dia, em resposta ao apelo do coração de Deus, por intermédio do Seu povo. Uma juventude que testemunha – com a vida – que o segredo da felicidade tem nome: Jesus Cristo.

Observando com cuidado também deparamos com uma dura realidade: são as mulheres que representam a grande maioria desses jovens que respondem ao chamado de Deus. Elas constituem a maioria em grande parte dos serviços da Igreja e dedicam, com muito carinho, toda a sua vida ao serviço do Senhor. É nesse momento que surge a pergunta: onde estão os homens?
Deus é o mesmo e continua a chamar a todos, assim como fez em toda a história da salvação. Assim como fez com Abraão, Moisés, Samuel, Davi, Pedro, Tiago, João, Paulo, Ele continua a chamar homens para o Seu seguimento. Se Ele os chama, por que eles não respondem?

Parece que os rapazes de hoje têm medo de se decidir, de se posicionar e encarar as conseqüências de suas decisões até o fim. Ficam ponderando e se agarrando a falsas seguranças pessoais, como se estas fossem eternas. Não afirmo isso somente com relação à vocação à vida consagrada, mas digo o mesmo com relação aos relacionamentos, ao matrimônio, ao trabalho, aos compromissos próprios da vida. Encontramos uma geração de pessoas que querem viver sem assumir a responsabilidade própria do ser homem, sem assumir o seu papel na história.

Vivemos em uma sociedade que por vezes se mostra machista, mas que ao mesmo tempo vai retirando – por meio de seus conceitos e estruturas – a firmeza, a coragem e a decisão que são próprias do ser homem. Por causa da busca desenfreada pela igualdade entre os sexos, anula-se aquilo que é próprio do homem e se forma uma sociedade frágil, na qual ninguém quer assumir o papel que lhe compete.

Para seguir uma vocação é preciso ser muito homem! É preciso muita coragem para renunciar a tudo a fim de fazer a vontade de Deus. Como homens que somos paramos de buscar a segurança em nossas próprias forças, em nossa racionalidade, que nos é tão própria, e nos abandonamos confiantes nos braços de Deus, que cuida de todas as coisas. Assumimos que mesmo sendo chamados a cuidar, a zelar e a responder por muitos, somos antes de tudo cuidados por um Pai que nos ama. Dessa forma, tornamo-nos inteiramente do Senhor e, por essa razão, nos tornamos muito mais homens.

Deus precisa de homens para levar a salvação até os confins da terra. Homens que assumam o seu papel na história e se deixem conduzir inteiramente pela ação do Espírito Santo. Homens que podem mudar a história com uma simples palavra: "sim"!

Um dia, eu fui provocado pelo Amor de Deus, que me desafiou e me exigiu uma resposta. Dei um "sim" na escuridão da fé e hoje vejo um horizonte ilimitado de felicidade na vontade de Deus. Não foi fácil romper com as amarras dos desígnios da sociedade e seguir a vontade do Senhor, mas hoje vejo o quanto essa decisão me fez muito mais homem. Hoje, sou muito mais feliz por saber que assumo o meu papel na história, assim como tantos homens que se deixaram seduzir por um Amor maior.

Talvez neste momento Deus o esteja desafiando a dar a sua resposta. Uma resposta que só depende de você. Não importa o que o Senhor esteja suscitando no seu coração: sacerdócio, matrimônio, vida consagrada em comunidade ou qualquer outra forma serviço pelo Reino de Deus. Agora é hora da resposta e da decisão que mudarão toda a sua vida. Dê a sua resposta, mas lembre-se: é preciso ser muito homem para dizer "sim" a Deus!

Renan Félix – Comunidade Canção Nova

"O Amor de Deus me Transfigurou"


A vivência desta aventura chamada PHN nos traz pessoas que podemos chamar de Anjos. Sonhar os mesmos sonhos de Deus nos faz entrar em Koinonía (comunhão) com outros que querem para si a mesma loucura de santidade que nós. Essa é a menina chamada Letícia, cujo testemunho está aqui diante de nós para que aprendamos o quanto Deus transforma a vida dos que têm a coragem de assumir a loucura de ser de Cristo, o escândalo da Cruz.

Deus te abençoe, Lê! Suas palavras têm o perfume da eternidade!


"Quero apresentar um pouco do que já vivi até hoje...
Nasci em uma família de católicos acomodados, desses que vão à missa quando convém ir, participar de alguma pastoral nem em sonho.
Mas me batizaram, fiz a 1ª comunhão, tudo certinho...
Mas depois nada de me incentivar a seguir a religião.
Foi quando me deslumbrei com o mundo, simplesmente idolatrava cantores de Rock e suas vidas sujas, queria sentir essa tal liberdade que o mundo tanto prega, comecei deixar que o estilo dos astros do Rock me manipulasse. Comecei a usar somente roupas pretas e de cores escuras, pintava meus olhos até que parecessem bem fundos, queria ficar igual a uma cantora de uma banda americana. O mundo foi desfigurando minha identidade.



Tinha horror em ouvir falar de igreja, achava tudo brega e careta demais.



Mas como para Deus nada é impossível: em 24 de março do ano de 2007 haveria um encontro para jovens da RCC... Minha madrinha, muito católica e serva da RCC, me deu a ficha para ir a esse encontro. Porém eu não queria ir, foi quando descobri que um menino que eu estava afim iria tocar nesse encontro. Foi quando resolvi ir. E foi lá que tive meu encontro pessoal com Jesus. Senti o verdadeiro amor de Deus por mim... Seu amor me transfigurou, fazendo-me entender que o Rei da minha vida tinha que ser Ele e não o Cazuza ou outro cantor qualquer.


A partir daquele momento vi minha vida mudar. Tomei um novo rumo. Apaixonei-me por Jesus e pelos Carismas do Espírito Santo. Hoje sou guiada por esse Espírito e luto dia após dia contra o pecado. Estou à frente de um grupo de jovens e sou membro de outro, participo do Grupo de Oração e do GOE (Grupo de Oração Estudantil), busco sempre fazer a vontade de Deus na minha vida, mesmo que isso me custe o sangue. Amo a Deus sobre todas as coisas. Rock só se for Rosa de Saron, mesmo assim sem idolatria, pois adorar somente a Deus, o único digno de todo Louvor e Adoração. O que Deus me deu nessa caminhada nova que resolvi trilhar: amigos verdadeiros, uma pessoa maravilhosa que ama muito (meu namorado). Só uma coisa do passado pela qual ainda luto é a conversão da minha família. Mas meu Deus é Aquele que jamais falhou, ele agirá na vida da minha família. Eu creio nisso.
Graças e louvores ao meu Deus amado e adorado...
Que Deus abençoe todos vocês!
Paz e Bem"


Letícia Souza

TEMPO DE RESSURREIÇÃO


Ó pecado de Adão indispensável,
Pois o Cristo o dissolve em Seu Amor
Ó culpa tão feliz que há merecido
A Graça de um tão grande Redentor
(Proclamação da Páscoa A – Vigília Pascal da Santa Igreja Católica)


Ó noite tão infinitamente luminosa! Ó gloriosa manhã de domingo que presenciou a vitória do Cordeiro sobre o aguilhão do pecado! Se a Cruz deixou atônitos os corações que ousaram crer no Carpinteiro da Galiléia, a manhã daquele domingo transformou-a na ante-sala da Glória Eterna, glória esta destinada àqueles que crêem no Filho do Homem.


Ponho-me a pensar que esta imensurável alegria pascal reside justamente na certeza de termos um Deus que nos ama com um amor que excede toda e qualquer tentativa de compreensão humana. Um amor que supera de tal modo o entendimento humano é em si mesmo a própria explicação de tão excelsa realidade. Não se define com a pobreza das palavras humanas e não pode ser descrito pelo intelecto de nossa mente. Que nos pareça contraditório ou mesmo que nos cause risos, tal amor só é compreensível se assumimos que está muito além de nossa capacidade reflexiva. Um amor que não vê limite em sua capacidade de expandir-se, tal é por nós o amor do Ressuscitado. E é esse mesmo amor que transpõe a realidade que nos foi imposta pelo pecado: A MORTE!


Ó amor tão profundo e intenso que nos atinge a alma fazendo-nos cantar: “Ó feliz culpa de Adão / Que nos tenha merecido tão grande Redentor!” no Exultat do Precônio Pascal! Que amor tão imenso é este que nos possa tirar do coração um louvor tão sublime pelo pecado outrora cometido por nossos primeiros pais, transfigurando-o na Graça de recebermos o dom da Encarnação?! O Cristo, Verbo Eterno do Pai, não simplesmente passou pela morte, mas em seu amor infinito, atravessou-a, rompendo suas grades e retorcendo os grilhões que a ela nos prendiam. E assim libertando-nos, o mesmo amor nos convida a assumir esta liberdade de modo pleno, como autênticos FILHOS DA RESSURREIÇÃO!



É tempo de ressurreição!
No confronto final, Cristo nos deu a Vitória!
A Cruz, outrora sinal de humilhação, torna-se Altar da Obediência Perfeita ao Criador, e logra para nós o penhor da Vida Eterna!
O amor de Cristo nos abraça, eleva e ressuscita!
Vivamos, pois, sob os cuidados desse amor!
Ressuscitemos nas chamas desta Divina Fornalha, cujo poder destruiu a morte!
Vivamos em Cristo!


“Amor tão grande, amor tão forte
Amor suave, amor sem fim
Que a própria morte transforma em vida
Abraço eterno de Deus em mim

Nem as torrentes das grandes águas
Conseguirão apagar esse Amor
Pois suas chamas são fogo ardente
Mais do que a morte é tão forte esse amor...”

(Abraço Eterno – Nicodemos Costa)

Cristo ressuscitou!
Feliz Páscoa!
Irmão Pelicano – 12/04/09

F5




Estou atualizando minha vida. Como passa o tempo e "notícia velha irrita muita gente", eu procuro atualizar minha vida a cada momento. "Dar um F5" é ter a certeza de que algo de bom aconteceu naquela situação que estava parada na janela do meu "Windows".
Às vezes, no ato de atualizar, "dar F5", encontro situações que "não respondem ao sistema". Situações que "travam" outros "programas". Privam-me de ter acesso aos meus relacionamentos. Nessa hora é preciso ter coragem de dar um "Ctrl + Alt + Del", bloquear situações, fechar janelas. E se preciso for, "desligar" ou fazer "logoff".


Lembro-me do passado como um aprendizado, não como uma prisão; vivo o presente semeando no hoje os frutos do amanhã. E deixo "arquivado" aquilo que me promove como pessoa.
Revejo atitudes, analiso se algo não precisa ser mudado; se descobrir que sim, procuro não me envolver com a angústia, e sim, com a serenidade que é o primeiro passo para que a mudança ocorra. "Lixeiras" também precisam ser esvaziadas. É preciso ter coragem de "formatar" nossa história.


Vivo o luto, porque se não chorarmos nossas dores, não podemos fechar um ciclo e iniciar outro, e a vida é constante renovação. Então, não paralisemos nossos passos nem nos tornemos descrentes; aprendamos a viver.

Um novo "comando" pode ser dado!

Agora envio para você este "SMS": "Aumente a memória de seu relacionamento com Deus e compartilhe com os que ama aquilo que foi registrado em seu coração".

Creia: ser gente é ter capacidade de dar "ESC" quando precisar; "F5" a cada dia, e também "reiniciar" quando tudo deu errado, na certeza de que novas "janelas" lhe são oferecidas.
Tamu junto!


Adriano Gonçalves

Comunidade Canção Nova

"EXISTEM COISAS QUE SÓ DEUS SABE!"


Exatamente como diz o título desse testemunho,
só Deus sabia o presente que iria receber ao conhecer a jovem
Aline Baía, lá do Pará, terra do açaí. Uma menina que traz a cor de Deus
nas palavras, no jeito, na alegria... Uma menina com DNA - Deus Nas Atitudes!
Existem coisas que só Deus sabe e só Deus pode nos dar.
Então, deixo aqui as linhas que o Pai escreveu na vida da Aline.
Desfrutemos...


Existem coisas que só Deus sabe...
Começo com esta frase porque até o momento só Ele sabia...
Mas como preciso desabafar...
...
Bom, sempre fui uma garota muito travessa, lembro dos meus momento de infância, nossa como eu era travessa!.
Nossa vida nunca foi fácil, nunca mesmo! Somos quatro filhos, sou a segunda, minha mãe engravidou bem cedo, aos 17 anos... Sou a segunda menina e meu pai sonhava com um menino, ele sempre quis um menino... Por isso criei um complexo imenso de inferioridade em relação aos meus irmãos...
Meu pai sempre bebeu... Sempre! Pelos problemas, pela situação financeira que passávamos, enfim, sempre teve um motivo pra beber...
Toda a noite chegava a casa completamente desfigurado, a maioria das vezes não o reconhecia, principalmente nos momentos de violência física... (nossa foi muito difícil...)
Minha mãe chorava todas as noites...
Lembro das noites que tínhamos que consolá-la e fazê-la dormir com uma bolsa de gelo nos ombros pelos maus tratos causados pelo meu pai... As dores eram tantas, mas nada comparado às da alma, essas sim eram bem maiores... (só Deus entendia esses momentos!).
Com o passar do tempo parece que cada vez nossa situação piorava...
Até que minha mãe, não agüentando mais, decidiu se separar de meu pai... Nossa, parece que nosso mundo tinha desabado de vez! Ele não aceitava, nunca aceitou...
E pra variar eu estava no período de vestibular...
Depois vieram os momentos de tentações, a adolescência conturbada...
Por motivo da separação de meus pais, tive que ir morar com meu pai, aí vivi os momentos mais difíceis da minha vida! Longe de minha mãe, longe do seu aconchego...
Agüentei durante anos as angústias, depressões, decepções, raiva, dor, de meu pai... Causadas pela separação.
Tudo parecia tão difícil Senhor...
Lembro das noites que eu chegava morta de cansaço da universidade e encontrava meu pai jogado no chão, completamente bêbedo, sujo, desfigurado... Numa desumanidade total..., morto espiritualmente...
Eu o pegava com todo carinho... Levava-o para o banheiro... , rezava, chorava, ... Tanto! Tanto!
Eu o amava ñ por aquilo que ele era, mas por aquilo que ele representava pra mim (e representa)... Ele é meu Pai e eu tinha que amá-lo por isso... Mesmo diante de todos os martírios, mesmo diante de toda dor...
Nunca desisti de meu pai...
Às vezes pensava em desistir, pois era tão difícil Senhor...
[...]
Sempre acreditei em Deus. Nos momentos mais difíceis de minha vida sei que Ele sempre esteve do meu lado...
Busquei forças na RCC, sou eternamente grata pela minha família RCC, pelo meu ministério, mas principalmente sou grata a Deus, por acreditar sempre em mim... Rezei incessantemente pela recuperação de meu pai...
Hoje vivo o PHN, é difícil... Mas estou conseguindo graças a Deus!
E... Exatamente hoje faz três anos que meu pai nunca mais tocou em bebida alcoólica nenhuma para a glória de Deus Pai! Ainda não posso dizer que ele está totalmente curado, porque entendo que a cura é um processo... Mas posso afirmar que Hoje, exatamente Hoje, SOU A PESSOA MAIS FELIZ DO MUNDO, porque consigo olhar para meu pai e chamá-lo de Pai...
Hoje Senhor... Mesmo diante dos problemas cotidianos (e o Senhor bem sabe!), só me resta agradecer.
Agradecer pela vida!
Agradecer pelo amor...
Agradecer pela dor, pela dor sim! Pois foi pela dor que aprendi hoje
SER REFLEXO DO TEU AMOR...
Mesmo diante de todas as minhas limitações e imperfeições...
Nada neste mundo, NADA me impedirá de te seguir... De te adorar... De te amar...
Amo-o Senhor!
Faça-se em mim segundo a Tua palavra!
Eu me abandono em Ti!...
Eternamente...



Aline Baía.
email:
lilicabaia@yahoo.com.br

Vi Bíblias rasgadas em minha casa



Deus fortalece nossa caminhada trazendo à nossa vida pessoas com o mesmo sonho, com as mesmas metas que nós. Assim encontrei Sabrina Perez, por meio das amizades PHN que a Internet me tem proporcionado fazer. Encontrar tais corações consola, fortalece e encoraja a vivência do PHN. Assim, bebamos aqui do testemunho desta Flor dos Jardins do Senhor, que pode ser um pouco do nosso também:

"Desde pequena sempre tive a fé católica dentro da minha casa. Como nem tudo são flores, meu pai nunca participou conosco das santas missas. Batizei-me com 4 meses, fiz minha primeira comunhão aos 8 anos comecei a servir como coroinha . Sempre fui atuante na paróquia .Procurava sempre estar engajada em alguma pastoral ou movimento... Aos 12 anos fui a um retiro, (“Primeira experiência de oração”) e lá conheci a RCC. Para mim foi um dos dias mais marcantes da minha vida. Quando vi todas aquelas pessoas rezando em línguas, não conseguia me controlar. Chorava e tremia da cabeça aos pés. Senti realmente a presença de DEUS naquele momento. Participava do grupo de jovens, ministério de dança e das organizações dos famosos "Barzinhos de Jesus". Estar ali servindo era e é uma dádiva...

Como toda adolescente, gostava de sair. Tínhamos nosso grupinho que sempre ia para pizzaria, ou dar uma volta a beira mar.

Certa vez ocorreu um desentendimento entre dois jovens na paróquia, sendo que uma delas é minha irmã. Nesses dias tive que ter a força que só encontro naquele que me dá a coragem para lutar e seguir em frente. Por conta desse desentendimento, minha mãe mudou de religião, minha irmã se afastou da Igreja e meu pai que já não ia, ficou mais afastado ainda.

Vi cenas horríveis dentro da minha casa: bíblias rasgadas, imagens de Nossa Senhora sendo escondidas, crucifixos jogados no lixo... NÃO foi fácil, mas DEUS sempre esteve ao meu lado e nunca desisti de
SEGUI-LO.

Alias segui-lo sempre foi e continua sendo meu maior objetivo


Sinto-me forte para buscar a SANTIDADE, para viver diariamente o PHN na minha vida e para viver aquilo que Ele me ensina.

Hoje digo a todos os jovens que queiram buscar o PHN que não desistam de lutar.Foi por AMOR a eu e a você que Deus foi chagado e ferido.
JOVEM, SINTA-SE AMADO E QUERIDO, É O AMOR DE DEUS QUE CURA TUA DOR...

ESPERA NO SENHOR!!!
"

Sabrina Perez


O martírio de falar sobre mim (Priscila Cruz)


Começando nossos testemunhos, trago aqui ao blog o de uma alma muito preciosa que o PHN Dez Anos me deu. Priscila Cruz de Assis (nome sugestivo, não?!) é daquelas pessoas que têm no olhar uma certa simplicidade e ao mesmo tempo uma grande determinação. A determinação de viver os Sonhos de Deus para si, por amor a Cristo e pelos irmãos. Partilhemos com ela a alegria da descoberta do Amor de Cristo em sua vida...

É difícil falar sobre a vida. A cada momento que penso em falar ou escrever sobre mim vem à tona um turbilhão de sentimentos e histórias que mexem com o meu coração, e relembrá-las nem sempre é algo fácil de encarar. É preciso coragem para olhar para nossa história e perceber o que fomos e o que somos.

Eu, em um suspiro corajoso, olho pra minha vida e percebo o quanto sou pequena e muitas vezes incrédula. Mais tenho um Deus que nunca falha e que sempre esteve e estará comigo. Minha vida Cristã, já começou de forma bem diferente. Aos seis anos eu ainda não era batizada, e por uma graça de Deus, falei com aos meus Pais da falta que isso me fazia, mesmo não tendo a mínima noção do que significava. Aos dez anos, fui batizada e semanas depois fiz a primeira Eucaristia. Através dessa minha súbita vontade de ser inserida na família cristã, meus pais retomaram o caminho que haviam abandonado anos atrás.

Cresci na Igreja Católica e cantando nas missas desde os doze anos de idade, mas sempre acreditei num Deus que ficava lá no céu, um Deus com o qual eu não tinha intimidade alguma. Pelo contrário, tinha medo.

Quando estava com vinte e três anos, passei por momentos complicados para mim. Quem nunca sofreu por amor? Quem nunca chorou por não atender as expectativas de seus pais? Eu era só mais uma, entre os vários jovens com problemas afetivos e familiares.

Uma vez, durante uma das discussões que tivemos, meu pai jogou nas minhas costas a sua vida, dizendo que eu era a causa dos seus problemas. Perdi o controle dos meus sentimentos, e eu só pensava em acabar com isso tudo. Mais foi nesse exato momento, que percebi a presença de Deus na minha vida e comecei a perceber tudo o que Ele já tinha feito por mim e eu não dava valor. A partir desse momento, senti e ainda sinto uma sede de Deus imensa e incontrolável. O desejo de ser santa corroía meu ser e corrói até hoje. O meu amor por Cristo aumenta a cada dia mais e o meu carinho pela Cruz me torna sensível a Paixão de Cristo.

Agora, eu posso dizer que sou uma DDD (Doidinha de Deus)


Priscila Cruz
05 de Abril de 2009

Os Grilhões da Liberdade


Começo esta reflexão com um profundo sentimento de gratidão ao Senhor por tudo que me tem concedido viver nos últimos tempos, que mesmo não sendo coisas muito grandes aos olhos humanos, somente Ele e eu sabemos o quão liberto tenho sido de tantas coisas, embora muitas vezes ainda me sujeite aos meus antigos calabouços de medos e carências. Sei porém que Ele tem total controle de minha vida e fará o melhor por mim sempre, dando-me gradativamente a plena liberdade em Seu Amor à medida em que eu me deixar amadurecer por ele.

Encanta-me que, ao contemplar a ação divina na vida humana e a dinâmica de Sua intervenção histórica, não raramente Ele nos surpreenda com a poesia dos contrários, construindo em nossa vida realidades que à primeira vista não parecem fazer o menor sentido, mas que gradativamente desvelam ante os olhos da alma as rimas e versos do Seu Coração Eterno. Aliás, Ele mesmo é o “Grande Contrário” na poesia do amor: o Eterno que habitou no tempo, o Imensurável que se escondeu no finito, por amor aos que não mereciam ser amados. E a partir desta divina combinação dos contrários, de opostos que se intercalam, nesta manhã a vida me inspirou esta reflexão a partir de uma pergunta que aqui divido com todos os meus irmãos de caminhada: É uma obrigação estar com quem se ama?

O que nos trará a resposta a esta pergunta será justamente a poesia do amor de Cristo, amor este que resgata o ser humano à sua essência e lhe devolve a dignidade, tantas vezes esquecida e renunciada por força da secularização e do relativismo que o mundo hoje vive.

O profundo e revolucionário toque do Amor de Deus em nós nos acorrenta à condição de seres plenamente livres de tudo o que nos tire a identidade de filhos amados do Criador. Parece absurdo e paradoxal acolher tais idéias, mas não há como ser tocado por Deus sem viver esta experiência. Sentir que dentro de si bate o mesmo coração de sempre, mas agora num compasso diferente e ter os olhos da alma mirando uma meta que está além desse mundo. Perceber que é simplesmente impossível abdicar desta condição, ou como o apóstolo Paulo, considerar-se um crucificado com Cristo. Perceber-se como plenipotenciário de si na medida em que o nosso amor, em resposta ao amor de Deus, nos dispõe a uma entrega total a Ele que nos libertou. Assim nos ensina esta pequena parábola:


Um escravo prestes a ser morto por seu senhor por estar lhe devendo uma imensurável quantia em ouro é encontrado no campo, em prantos, por outro senhor que, comovido com a dor do escravo, resolve comprá-lo por uma fortuna ainda maior. O jovem escravo, profundamente agradecido, é conduzido por seu novo senhor a uma linda e vasta planície e lá chegando, este lhe desacorrenta os pés e lhe tira as algemas e lhe diz: “Vai, pois agora és livre!”. O escravo, desconcertado e surpreso, sem pensar muito, sai correndo pela planície rumo à liberdade sonhada e some dos olhos do senhor, que ali permanece, feliz por ter libertado aquele jovem da morte certa. Na noite seguinte, porém, aquele ex-escravo apresenta-se às portas da casa do senhor que o libertara e, atirando-se aos seus pés, diz: “Hoje sou livre graças a ti e te devo toda a minha vida. Portanto, na minha liberdade, opto por pertencer a ti, e servir-te pelo resto de meus dias!”

Claro está nessa pequena fábula que assim é o Amor do Senhor por nós, que nos resgatou sem nada nos pedir em troca, nem mesmo obediência. E profundamente tocados pela gratidão ao Senhor, o coração dos que são libertos sente-se impelido a viver e servir Àquele que nada poupou de si por nós, que tudo nos deu sem que merecêssemos. E ainda mais comovente se mostra o amor do Senhor quando respeita a liberdade daqueles por quem se entregou. Este é o amor genuíno, nascido daquela inigualável fonte chamada Coração do Pai.

Assim, na verdade, toda renúncia que fazemos tudo que nos decidimos a viver em obediência à Esposa do Cordeiro, a Santa Igreja Católica, é tão somente a resposta a um Amor imensurável de um Deus que se despojou de toda a Sua glória e se entregou no pão e vinho consagrados no Altar da Santa Missa. Mais ainda: resposta esta que não nos é exigida pelo Senhor, que não nos violenta ou constrange, mas resposta que deve ser fruto de um coração apaixonado pelo Senhor.

Cada um de nós, jovens PHN, tivemos a graça de um dia encontrar-nos com Aquele que nos desvendou toda a nossa preciosidade. E renunciar a isso talvez não nos leve a perder o céu, mas pode nos levar a perder a essência de nossa vida e perder mesmo a graça de uma vida liberta, curada, transformada... Mas tudo isso se tivermos a coragem de nos deixar “acorrentar” na autêntica liberdade de filhos de Deus, renunciando por amor ao Cristo à falsa liberdade que o mundo nos mostra. Fomos comprados pelo Amor do Senhor, juventude PHN. Saibamos optar pelos grilhões da liberdade em Deus, que nos fará dia após dia sinais da Verdade que aponta o Caminho para a Vida Nova em Deus.

Acorrenta-nos, Senhor, ao Teu Amor.
Com Carinho e Orações
Irmão Pelicano